A pandemia do novo coronavírus não poupou até mesmo as tradicionais festas juninas, que movimentam a economia de diversas cidades do país. Os eventos em Caruaru (PE) e Campina Grande (PB), que disputam o título de maior São João do mundo, não irão ocorrer presencialmente e organizadores dessas festas se esforçam para a data não passar em branco. 

A prefeitura de Caruaru afirma que no ano passado o evento injetou R$ 200 milhões na economia local. Com o objetivo de trazer um alívio financeiro a diversos trabalhadores que perderam a habitual renda trazida pela celebração, os organizadores da festa criaram a campanha São João Caruaru Solidário, a ação tem como intuito arrecadar alimentos, kits de higiene e dinheiro. Não há previsão de data para o evento neste ano. 

“Vamos ajudar milhares de famílias a passarem por esse momento tão difícil, é claro que queríamos o São João como acontece todos os ano. Mas, neste momento, precisamos preservar a nossa vida, a saúde da nossa família e a nossa cidade”, disse a prefeita da cidade, Raquel Lyra.

No estado vizinho, o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, anunciou que o tradicional São João da cidade vai ocorrer em outubro, caso não tenham mais restrições de isolamento. Em 2019, a festa movimentou R$ 300 milhões na economia do município. Mas para não deixar a data passar em branco, nos dias 23, 24 e 27 de junho, os organizadores irão transmitir lives de diversos artistas, entre eles Elba Ramalho.  

“Embora a prefeitura esteja fazendo a sua parte, acho que cada um também pode contribuir. É um momento de isolamento social”, afirmou Rodrigues no anúncio do adiamento. 

Contribuição 

Para ajudar os trabalhadores afetados com o cancelamento da festa presencial do São João de Caruaru, acesse saojoaocaruarusolidario.com.br ou se dirija a algum ponto de arrecadação de alimentos e produtos de higiene, localizados na prefeitura da cidade e na ONG Lions Internacional, situada na Rua Suíça, número 100, Bairro Universitário.


 

Deixe seu Comentário