Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Governo quer seis leilões rodoviários em 2024 e estima R$ 55,7 bilhões em investimentos - Rádio Local Mais

Fale conosco via Whatsapp: +55 51 980207682

No comando: Tradição

Das 06:00 às 08:00

No comando: Café com Notícias

Das 08:00 às 09:00

No comando: Manhã mais que demais

Das 09:00 às 11:00

No comando: Show Bandas

Das 09:00 às 12:00

No comando: Tarde mais que demais

Das 13:00 às 14:00

No comando: Sertanejo Classe A

Das 14:00 às 17:00

No comando: Comunidade Local

Das 18:00 às 19:00

No comando: Ponto a Ponto

Das 18:30 às 20:00

No comando: Programa Top

Das 19:00 às 20:00

No comando: Em sintonia com o ritmo da vida

Das 19:00 às 20:00

No comando: Momento com Deus

Das 20:00 às 21:00

No comando: Diálogos com Juliano Paz

Das 20:00 às 21:00

No comando: Rock na Veia

Das 20:00 às 21:00

No comando: Arquibancada

Das 21:00 às 22:30

Governo quer seis leilões rodoviários em 2024 e estima R$ 55,7 bilhões em investimentos

Seis dos 13 lotes de rodovias federais que o governo quer conceder à iniciativa privada em 2024 estão no Sudeste do país. Dados que o Brasil 61 obteve junto ao Ministério dos Transportes apontam que esses trechos vão receber a injeção de R$ 55,7 bilhões em investimentos durante a vigência dos contratos.

Com os leilões rodoviários previstos para este ano, o governo espera atrair R$ 122 bilhões em investimentos privados. Segundo Venilton Tadini, presidente-executivo da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), uma série de fatores deve contribuir para que as concessões se concretizem.

“A gente está entrando num momento de redução de inflação e taxa de juros, nosso câmbio está adequado e nós temos um nível de reserva adequado. Isso significa que é um bom ambiente macroeconômico para atração de recursos. Projetos bem estruturados são mais um ingrediente importante nesse sentido e, logicamente, do ponto de vista regulatório, não ter nenhum tipo de atropelo ou surpresa. Aí você cria um ambiente perfeito para poder trazer investidores”, afirma.

Rodovias mineiras em destaque

Todas as rodovias do Sudeste que o governo quer conceder à iniciativa privada este ano passam por Minas Gerais. É o caso da BR-040/MG/GO – conhecida como Rota dos Cristais –, cujo projeto de concessão de 595 quilômetros, entre Belo Horizonte (MG) e Cristalina (MG), recebeu sinal verde em agosto do ano passado. A previsão é de que o edital saia ainda no primeiro trimestre de 2024.

O Ministério dos Transportes espera atrair R$ 10,6 bilhões em investimentos, que serviriam para duplicar um trecho de 10 quilômetros, construir 35 passarelas, 16 faixas adicionais em pista dupla, oito faixas adicionais em pista simples, seis passagens de fauna, além de pontos de parada e descanso para caminhoneiros e bases de serviços de atendimento aos usuários.

Confira quais as seis rodovias da região podem ir a leilão em 2024.

Arte: Brasil 61A BR-040/MG, no trecho que liga Belo Horizonte a Juiz de Fora, será a primeira rodovia federal a ir à leilão em 2024. A disputa pela concessão vai ocorrer em 11 de abril, na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). O governo espera assegurar R$ 8,8 bilhões em novos investimentos, que vão desde a duplicação de pistas e implantação de faixas adicionais à construção de ciclovias e passarelas.

Gargalos

Das 13 concessões de rodovias federais que o governo projeta para o ano, dez estão situadas nos chamados “corredores do agro”, que nada mais são do que rotas por onde a produção agropecuária é escoada a cada safra.

Para Rodrigo Petrasso, especialista na área de projetos privados, o recorte mostra que o Ministério dos Transportes tem interesse em resolver gargalos logísticos que o setor produtivo enfrenta da porteira para fora.

“A realização desses 13 leilões é uma boa notícia, em especial por conta da preocupação de modernizar a malha rodoviária em setores fundamentais para o escoamento de produção de carga, especialmente de commodities agrícolas. Nós temos um gargalo logístico muito grande, especialmente no agronegócio, por conta da escassez da malha ferroviária e da dependência da malha rodoviária e do fato de a malha rodoviária ainda não ter sido expandida de forma suficiente, não ter uma capilaridade adequada e de as rodovias existentes terem capacidade de transporte – até por conta de problemas de manutenção – aquém do que é necessário”, avalia.

Apesar de estarem previstas para 2024, algumas concessões tiveram seus projetos iniciados antes do atual governo. É o caso da Rota dos Cristais, cujos estudos começaram em maio de 2022.

Deixe seu comentário: